faceralis

 

usados

CPR

brunovenat20Apesar de ter apenas seis especiais de classificação, o Rali Alto Tâmega, foi desportivamente uma prova muito interessante de seguir, na qual se deu uma reviravolta no Campeonato após uma exibição de muita qualidade de Bruno Magalhães / Carlos Magalhães.

O piloto do Hyundai I20 R5, que é teoricamente o R5 menos competitivo do plantel, conseguiu uma enorme proeza de comandar cinco das seis especiais do rali, vencer quatro troços e, mais importante que tudo, passar a liderar o Campeonato de Portugal de Ralis quando faltam 3 (ou duas) provas para o seu final.

Todos estes números confirmam uma grande exibição no asfalto de Magalhães, superando uma concorrência que tinha a vitória como objetivo para esta prova.

Armindo Araújo nem sempre teve a sorte pelo seu lado. Uma ligeira saída de estrada no primeiro dia, e um furo no final do 5º troço, numa altura crucial do rali, em que a diferença passou de 2,8s para mais de 11s (que deixou assim o rali na mão do piloto da Hyundai) não são só por si todos os argumentos que explicam este segundo lugar. Armindo Araújo ainda recupera um pouco da sua confiança de início de época, depois de a ter perdido na Calheta!!!

Mesmo assim, Armindo Araújo e Bruno Magalhães, parecem ser agora os únicos pilotos apontados ao título de 2020, numa luta que se prevê épica, tal a superioridade que ambos têm tido sobre os seus adversários.

Ricardo Teodósio acabou num esforçado 3º lugar, que foi obtido mesmo na fase final do rali, quando José Pedro Fontes fez um pião e furou no troço seguinte. A verdade é que se Teodósio fez um rali irregular em termos de exibição, mas terminou em alta, com a vitória na Power Stage, mas longe do objetivo de vencer este rali, já o piloto do Citroen terminou o rali em baixa (depois de ter começado com um despiste no Shakedown), descendo ao 4º lugar da geral e hipotecando muitas das hipóteses de lutar pelo título deste ano.

O piloto da Polo R5, Pedro Meireles, terá feito o melhor rali da temporada, mas não conseguiu ainda sequer vencer um troço, mas regista-se com agrado a sua subida de forma para este final da temporada, com um 5º lugar neste Alto Tâmega.

Miguel Correia fez uma prova solitária e pouco disputada, mas a evolução continua troço a troço e prova a prova, sendo ainda longo o percurso para chegar ao topo.

Verdadeiramente brutal, e sendo um dos pilotos deste rali, Pedro Antunes conseguiu um 7º lugar com o seu Peugeot 208 Rally 4, vencendo o aguerrido Troféu Peugeot.

A estreia do CAMI no Campeonato de Portugal de Ralis não foi das positivas, fruto dos acontecimentos no primeiro dia, mas a prova tem troços muitos interessantes e foi desportivamente um bom rali.

Nos RGT a vitória foi para Vitor Pascoal (Porsche), tal como era esperado, enquanto Nuno Carreira venceu nos Clássicos, com o seu exuberante Subaru Impreza. Nota ainda para a vitória de Fernando Peres, em Mitsubishi no Regional Norte.

COMANDANTES SUCESSIVOS
Bruno Magalhães (Pec 1); Armindo Araújo (Pec 2); Bruno Magalhães (Pec 3 a 6)

TROÇOS GANHOS
Bruno Magalhães (4); Armindo Araújo (2)

CLASSIFICAÇÃO FINAL
tamegafinal20

altdi120RALI ALTO TÂMEGA 2020

AGOSTO 2020

FOTOS RALIS ONLINE (ANDRÉ RIBEIRO)

brevesat2020No Shakedown, ganho por Ricardo Teodósio, apenas 11 pilotos tiveram oportunidade de o disputar, precisamente os mesmos que foram aceites no qualifying. Devido às restrições mais nenhum piloto foi autorizado à partida, fazendo com que o Shakedown acabasse muito cedo.

José Pedro Fontes não se livrou de um enorme susto, ao sair de estrada em 5ª velocidade. O aparato foi grande, mas o C3 R5 foi recuperado a tempo, depois de serem substituídos muitos elementos da frente do carro.

Na segunda especial, naquela que deveria ter sido uma banal saída de estrada, por pouco não acabou em tragédia. Os carros da segurança do rali (ambulância, carros dos bombeiros e da organização) estavam mal colocados na saída de emergência a meio de um gancho, acabando Ruairi Bell, num Ford Fiesta, por levar na frente alguns espectadores (que tiveram mazelas físicas) depois de bater numa ambulância e num carro da organização.

Apesar das excelentes condições do parque de assistência, muito semelhante ao de Mortágua, as equipas foram colocadas em fila, fazendo com que as assistências estivessem espalhadas por mais de um quilómetro, quando poderiam ficar em metade do espaço.

Costuma dizer-se que santos da casa não fazem milagres. Que o diga Luís Delgado, piloto de Chaves, que na estreia do Peugeot 208 acabou por capotar no primeiro troço, sem consequências físicas (felizmente) para piloto e co-piloto, que era apontando como um dos candidatos à vitória no Troféu Peugeot.

A organização decidiu em muitas zonas impedir que os pilotos cortassem as curvas, evitando sujar os troços. Uma boa medida que protege os pilotos e o espetáculo.

André Cabeças anda com azar no seu Citroen DS3 R5. Voltou a desistir, mas desta vez culpou totalmente a organização por não lhe ter dado dois minutos de diferença para o concorrente que partia à sua frente. A verdade é que Cabeças apanhou o concorrente da frente e ao tentar passá-lo acabou por sair da estrada!!!

TEO20ATRALI ALTO TÂMEGA 2020

AGOSTO 2020

FOTOS RALIS ONLINE (ANDRÉ RIBEIRO)

aboboreirrui19Resultado da recalendarização do Campeonato de Portugal de Ralis, em consequência da anulação do Azores Rallye, deverá ser o Rali Terras D'Aboboreira, prova organizado pelo Clube Automóvel de Amarante, a integrar o calendário do Campeonato de Portugal de Ralis nos próximos dias 30 e 31 de Outubro de 2020 e que se disputará em piso de terra.

O Clube Automóvel de Amarante reuniu com os municípios por onde a prova passa (Amarante, Baião e Marco de Canaveses), tendo todos mostrado abertura para serem parceiros na realização da prova, salientando a necessidade de se obter prévia concordância das autoridades de saúde – locais e nacionais – e que o plano de contingência cumpra todas a regras emanadas pelas Autoridades de Saúde, e que estejam garantidas as condições higiéno-sanitárias.

Para Ni Amorim esta é uma solução coerente: "O Rali Terras D'Aboboreira tinha sido uma das provas a sair do Campeonato de Portugal de Ralis na altura da reformulação do calendário fruto do Covid 19, pelo que é justo que volte a integrar o CPR, agora que o Azores Rallye não se vai realizar. O Clube Automóvel de Amarante logo que contactado pela FPAK pôs em marcha todas as diligências para que possamos estar, num tão curto espaço de tempo, a prever este evento para o final do mês de Outubro. Agradecemos por isso todo o esforço e empenho para colmatar esta lacuna e dar ao Campeonato a dignidade que merece".