faceralis

 

usados

CPR

tamegaplaca20Pelos vistos não vai faltar emoção na luta pela vitória no Rali Alto Tâmega, neste seu regresso à ribalta do Campeonato de Portugal de Ralis, depois de mais de duas décadas de quase esquecimento.

A prova, que é a grande surpresa da temporada de 2020 (apenas após dois anos de regional norte subiu meteoricamente ao CPR), apresenta um rali sprint na quilometragem e ainda mais sprint no número de especiais de classificação, não permitindo por isso furos e outras “avarias” entre os que têm pretensões a obter um bom resultado nesta prova. Pode ser um esquema interessante para os pilotos, mas não será seguramente para o público que quer acompanhar a prova na estrada.

Na estrada dois pilotos têm uma pressão adicional em cima. Por um lado, José Pedro Pedro, que até tem o seu carro no cartaz da prova, pois necessita de vencer para recuperar parte do atraso que tem para os líderes do campeonato. Um novo desaire, ainda por cima num clima de incerteza quanto ao número de provas que faltam para terminar o CPR (depois do cancelamento dos Açores), deixará o piloto do Citroen não totalmente fora da luta pelo título, mas com um atraso muito considerável.

Não menos pressionado está Ricardo Teodósio. Com a responsabilidade de defender o título e de ainda este ano não ter mostrado a competitividade desejada, o algarvio vai ter mesmo que lutar pela vitória, caso contrário pode ficar irremediavelmente atrasado nas contas do título.

Pela lógica, Armindo Araújo e Bruno Magalhães, serão os grandes candidatos à vitória nesta prova, com o piloto da Hyundai a ter uma pontinha mais de favoritismo, atendendo às suas prestações recentes no asfalto da Madeira.

Não acreditamos que João Barros posso intrometer-se nesta luta, mas chegará a esta prova com ritmo e já com conhecimento suficiente do seu Citroen para poder intrometer-se na luta pelos lugares do pódio.

O relativo desconhecimento dos troços por parte dos pilotos, por ser um rali novo no CPR, poderá equilibrar a luta pela vitória, numa prova com troços rápidos e que alguns pilotos já afirmaram não dar para ter qualquer estratégia, isto é, para se ganhar vai ter de se andar sempre a fundo e isso é bom para o espetáculo e para a emoção desportiva da prova.

 

tamegaplaca20Troços e horários Rali Alto Tâmega 2020, 4ª prova do Campeonato de Portugal de Ralis, que se realiza a 29 e 30 de agosto de 2020.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

tamegahorarios20

brunoalO Team Hyundai Portugal atravessa um excelente momento depois de ter lutado pela vitória nas três primeiras provas do Campeonato de Por tugal de Ralis, obtendo inclusive um triunfo importante na ilha da Madeira.

Agora, o campeonato ruma à região do Alto Tâmega para uma prova que regressa ao principal escalão dos ralis nacionais e que configura uma estreia para quase todas as equipas do CPR , incluindo Bruno Magalhães e Carlos Magalhães.

"É verdade que conseguimos uma excelente pontuação na Madeira e o nosso objetivo para o Rali Alto Tâmega é tentar assumir o comando do campeonato", afirmou Bruno Magalhães, que está a escassos 1,63 pontos do topo da classificação Este será um rali novo para quase todos os pilotos do CPR, algo que me agrada pois normalmente somos competitivos nestas condições. Contudo, o campeonato está muito equilibrado , há sempre incerteza na luta pela vitória e nós vamos tentar encontrar um bom set up no nosso Hyundai i20 R5, para e starmos fortes logo desde os primeiros troços", referiu o tricampeão nacional e vice campeão da Europa.

vitoralDepois de disputadas duas provas do Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis, o Rali Alto Tâmega marca o regresso desta competição à estrada, para a terceira jornada da temporada. A dupla Vitor Calisto / António Cirne a bordo da Ford Escort RS 2000 MK1, pretendem manter-se no topo do Campeonato.

"Não é muito comum disputar-se provas de ralis em pleno mês de Agosto no continente português, mas num ano desportivo completamente anormal, não é de estranhar que a terceira prova do Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis tenha lugar já no próximo fim-de-semana. Saúda-se também o regresso do Rali Alto Tâmega à ribalta dos ralis nacionais depois do êxito que teve até à década de 90, embora o enquadramento atual deste rali seja bem diferente do disputado naquela época. Nesta prova estão inscritos oito equipas nos Clássicos, num campeonato que não tendo muitos inscritos começa a ter cada vez mais interessados, o que se saúda", afirma Vitor Calisto.

Sobre o Rali Alto Tâmega, Vitor Calisto, que terá novamente a seu lado António Cirne, refere que "é uma prova nova com poucas provas especiais de classificação, mas que são algo longas e muito complicadas e por isso mais exigentes. O calor poderá ser um inimigo, tal como aconteceu no Rali de Castelo Branco. Sabemos que irá ser uma prova difícil de superar que irá colocar à prova os pilotos e co-pilotos, mas também o próprio carro. Trata-se de um rali novo para praticamente todos os pilotos, bastante diferente dos restantes que disputamos todos os anos e que, só por isso, é uma razão para motivação extra".

Do ponto de vista meramente desportivo, Vitor Calisto diz que "os nossos objetivos são sempre os mesmos de prova para prova. Sabemos o que podemos fazer e a nossa primeira meta é chegar ao final, pois só dessa forma podemos continuar a pontuar como é nossa intenção. Não escondo que gostávamos de nos manter no topo do Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis".

armindoalArmindo Araújo e Luís Ramalho estão a poucos dias de voltar ao ativo para disputar a quarta prova da temporada do Campeonato de Portugal de Ralis. A dupla do Skoda Fabia R5 Evo parte para o Rali do Alto Tâmega confiantes e determinados em lutar pela vitória na prova organizada pelo CAMI.

"Este é um rali completamente novo e acho que isso fará esta prova ainda mais interessante. Gosto particularmente dessa situação e também da quilometragem das especiais, pelo que estamos muito motivados e confiantes. Temos trabalhado muito para estarmos na máxima força e o nosso objetivo é lutar pela vitória e continuar a liderar o campeonato", afirma Armindo Araújo.

Com apenas seis especiais de classificação, mas com cerca de cem quilómetros cronometrados, o Rali do Alto Tâmega apresenta-se como um verdadeiro rali sprint. "Numa prova com estas características não existirão grandes táticas. Temos que entrar ao ataque desde a primeira especial, e com apenas seis para disputar, a margem de erro é muito pequena", disse ainda o líder do CPR.