faceralis

 

banner728x90pixels - NOVA DATA

Eventos

CAMPOSDepois dos Açores, a segunda prova do Toyota Gazoo Racing Iberian Cup teve como palco o Rally Terra de Auga, após o qual Miguel Campos / Nuno Rodrigues da Silva se mantiveram como líderes da competição.

Apontados como favoritos à vitória na segunda prova do Toyota Gazoo Racing Iberian Cup, depois da excelente vitória no Rallye dos Açores, Miguel Campos / Nuno Rodrigues da Silva, terminaram no quarto lugar o Rally Terra de Auga, depois de enfrentarem muitos problemas de embraiagem no Toyota Yaris GR, desde o Shakedown até ao final prova.

"Logo no Shakedown ficamos sem embraiagem e já tivemos muita dificuldade em levar o carro até à assistência. Depois de sangrada a embraiagem, pensávamos que no primeiro troço o problema estaria resolvido, mas a verdade é que voltamos a ter muitas dificuldades", refere Miguel Campos, explicando que "pensamos em abandonar a prova, mas juntamente com a Inside Motor decidimos continuar, mesmo com muitas dificuldades em trocar de caixa e a arrancar para os troços".

Mas a prova de Miguel Campos teve ainda outros contratempos, com o piloto a referir que "a juntar à embraiagem, o nosso Yaris voltou a ter problemas de diferencial, que aconteceu também com outros carros do Troféu e que a organização do mesmo deveria já ter resolvido. Algo devia ser feito para que tal não suceda novamente, até porque do ponto de vista mecânico o carro tem revelado uma boa fiabilidade".

A verdade é que estes problemas afetaram imenso a prestação de Miguel Campos, não permitindo que pudesse lutar pela vitória como pretendia, não lhe permitindo melhor que um 4º lugar final no Toyota Gazoo Racing Iberian Cup neste rali. "Foi o resultado possível e deve-se à enorme resiliência que toda a equipa demonstrou para que pudéssemos chegar ao final da prova. Mesmo assim, continuamos a liderar o Toyota Gazoo Racing Iberian Cup, após as duas primeiras provas, o que não deixa de estar de acordo com os nossos objetivos para esta temporada. Quero também agradecer o trabalho desenvolvido pela Inside Motor".

A próxima prova do Toyota Gazoo Racing Iberian Cup é o Vodafone Rally de Portugal, também disputado em pisos de terra, que se realiza dias 19 e 22 de maio, sendo que este troféu realiza apenas a primeira etapa.

Classificação final Rally Terra de Auga:
http://teamrepauto.com/TiemposOnline/TiemposPhp/resultados/verTotal.php?prueba=2057&tramo=8&idClase=&idTipoCoche=97&final=1

Classificação Toyota Gazoo Racing Iberian Cup:
1º Miguel Campos - 38 pontos
2º Ricardo Costa - 35 pontos
3º Fran Cima - 28 pontos
4º Daniel Berdomás - 22 Pontos
5º Sergi Francolí – 22 pontos

toyotaCom o terreno completamente seco e num dia atípico na Galiza, as etapas rápidas do Rali Terra da Auga demonstraram mais uma vez a eficiência do Toyota GR Yaris RZ Cup.

Tal como no Rali dos Açores, os tempos fixados pelos pilotos têm chamado a atenção, colocando o GR Yaris como uma das melhores opções para os pilotos.

Assim, Sergi Francolí e Dani Berdomás terminaram o teste no top 10, à frente de veículos com desempenho superior. A isto devemos acrescentar que todos os participantes desta segunda ronda da TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup terminaram a prova.

O Rali da Terra da Auga, a segunda prova de pontuação da temporada e a primeira em Espanha da TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup, veio reafirmar o sucesso do Rali dos Açores. O rali começou com três novas equipas na lista de inscritos e clima de verão, com Dani Berdomás a mostrar-se o piloto mais rápido, seguido de um dos estreantes, Sergi Francolí, que se adaptou perfeitamente ao Toyota GR Yaris RZ, apesar de ser a primeira vez que correu com ele.

Pequenos imprevistos levaram Miguel Campos, líder da prova após a vitória nos Açores, para longe das primeiras posições. Dessa forma, o piloto português adotou uma postura mais conservadora, de forma a somar o maior número de pontos possível para a classificação geral.

Um furo e um pião de Dani Berdomás na última etapa da manhã de sábado levaram Sergi Francolí, com o seu primeiro melhor tempo na TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup, a subir à primeira posição. Ainda assim, o galego Berdomás saiu para a segunda secção com a intenção de recuperar o tempo, algo que conseguiu na quarta etapa do dia, deixando a diferença em apenas 1,8 segundos face ao catalão.

O sexto e último troço do dia, com pouco mais de 14 quilómetros, ficaria encarregado de decidir quem subiria ao topo, privilégio que finalmente caiu nas mãos de Sergi Francolí, em parte devido a um revés sofrido por Dani Berdomás.

O terceiro lugar esteve sempre nas mãos do piloto português Ricardo Costa, que tem sido muito rápido e consistente ao longo das 6 etapas disputadas. Este novo pódio o mantém como segundo no campeonato.

Miguel Campos terminou finalmente na quarta posição, enquanto Fran Cima, que sofreu uma pancada na roda dianteira direita na primeira secção, terminou em quinto.

A grande afluência de público em cada uma das especiais cronometradas do Rali Terra da Auga veio demonstrar, mais uma vez, o interesse que existe por esta especialidade em terras galegas.

A próxima jornada da TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup realiza-se nos dias 20 e 21 de maio, coincidindo com a visita do Campeonato do Mundo de Ralis —Campeonato Mundial de Ralis (WRC)— a Portugal.

PEUGRALLMORTCom o 1º lugar alcançado no Rali de Mortágua, segunda prova da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA (de um total de seis), a dupla espanhola Diego Ruiloba / Andrés Blanco colocou-se, provisoriamente, no topo da tabela de pontuações da Temporada 5. Fazendo uma gestão milimétrica da prova, a equipa do 208 Rally4 #5 apenas precisou de vencer dois dos sete troços do rali viseense para bater ao cronómetro os demais candidatos à vitória e ao título de 2022.

Juntando o sucesso alcançado entre os seus pares na copa, a dupla das Astúrias somou ainda a vitória no rali em termos absolutos, ocupando o lugar de topo do respetivo pódio. Tal deve-se a uma repentina quebra na prestação dos portugueses Ernesto Cunha / Rui Raimundo na secção da tarde, eles que lideraram o rali até final da manhã. Com isso os Roberto Blach / Mauro Barreiro subiu ao 2º lugar e Andrés Marieyhara / Ariday Bonilla ao 3º, com um gap superior a 35 segundos para o vencedor.

Destaquem-se as várias lutas que se travaram ao longo do pelotão, num rali que teve seis vencedores diferentes em sete troços e quatro líderes. Registaram-se sucessivas trocas de lugares entre os pilotos da frente e ao longo do pelotão, o que é demonstrativo da enorme competitividade da copa e do equilíbrio na preparação das viaturas.
Claro foi, também, o domínio dos 208 Rally4 da copa nesta prova pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis de 2 Rodas Motrizes, ocupando todos os lugares do pódio absoluto e daqui até ao 7º lugar, sublinhando a excelência deste produto made by PEUGEOT Sport.

Líderes da copa à entrada deste rali, Óscar Palomo / 'Xavi' Moreno começaram mal na SuperEspecial de ontem, para depois vencerem um troço e logo a seguir abandonarem. A vitória de Ruiloba / Blanco e o melhor tempo na PowerStage permitiu-lhes assumirem a liderança da copa, tendo uma vantagem de 8 pontos sobre Cunha / Raimundo, os melhores portugueses.

Finda esta jornada, fica por disputar no nosso país o Vodafone Rally de Portugal, cuja 1ª Etapa (19 e 20 de maio) serve de espinha dorsal ao terceiro encontro da época, também ele em pisos de terra. Seguir-se-ão, já em Espanha, três ralis em asfalto, para se consagrar os Campeões da Temporada 5 da iniciativa da PEUGEOT Portugal e PEUGEOT Espanha, com o apoio logístico da Sports & You.

A DUPLA DAS ASTÚRIAS QUE CONQUISTOU MORTÁGUA

Diego Ruiloba e Andrés Blanco estrearam-se no lugar de topo da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA, com um suado, mas merecido, 1º lugar no Rali de Mortágua, 2ª prova da Temporada 5. E fizeram-no ainda melhor pois de caminho venceram, também, o rali à geral, encimando um pódio todo ele composto por unidades 208 Rally4, a viatura que serve de base à copa ibérica. Duas vitórias em troços (incluindo o da Power Stage), mais dois segundos melhores tempos e três terceiros valeram-lhe o passe para a vitória e para a liderança provisória da copa.

A dupla das Astúrias passou, assim, a ser o novo alvo dos demais candidatos ao título, grupo composto por pilotos de ambos os lados da fronteira ibérica, a que se junta um outsider vindo do Uruguai, Andrés Marieyhara, que com o seu navegador espanhol Ariday Bonilla atingiu o 3º lugar neste rali, apenas 2,9 segundos atrás do espanhol Roberto Blach, o 'Campeão' de 2018 da copa, navegado por Mauro Barreiro.

"Foi um rali difícil mas fantástico, que conseguimos vencer, somar mais 3 pontos da 'Power Stage' e, com isso, subir à liderança da copa", comentou o muito jovem Diego Ruiloba no palanque final do Rali de Mortágua. "Começámos a atacar logo de manhã, para depois à tarde, impormos nova pressão sobre os nossos adversários, em troços que corremos com mais tranquilidade. Vencemos dois deles, incluindo a 'Power Stage'. Quanto ao nosso 208 Rally4, quanto mais o conduzo mais quero tirar dele, um carro que esteve perfeito a 100% e que nos permitiu alcançar este objetivo, desfrutando dele muito mais aqui em Mortágua do que consegui em Fafe, um rali onde basicamente tínhamos de sobreviver e chegar ao fim".

Do lado dos menos afortunados, destacam-se três duplas: Ernesto Cunha / Rui Raimundo, que depois de uma manhã fantástica, onde até lideraram o rali, viriam a perder à tarde muito tempo e até um lugar no pódio; Óscar Palomo / 'Xavi' Moreno, que chegaram aqui na liderança da copa para um rali para esquecer, abandonando depois de fazerem o melhor tempo num troço; e Ricardo Sousa / Luis Marques, que não cumprindo a SuperEspecial foram relevados para último lugar, para depois atacarem, fazendo um melhor tempo num troço, vindo a acabar na 7ª posição.

Destaque também para o domínio dos 208 Rally4 da PEUGEOT nesta prova organizada pelo Clube Automóvel do Centro, colocando sete exemplares no top-7 da copa e à geral, decorrente do facto de ser pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis de 2 Rodas Motrizes (CPR/2RM).

ERNESTO CUNHA CONTROLA RONDA MATINAL

Arrancando manhã cedo do centro de Mortágua para os troços, o primeiro confronto entre os PEUGEOT 208 Rally4 iniciou-se nos 7,75 km da ES2 - Mortágua 1 onde Óscar Palomo / 'Xavi' foram os mais rápidos. Rodando muito atrasados, devido ao problema de ontem, viriam a abandonar logo a seguir.

Foi nessa ES2 que se deu a primeira troca de líder, com Diego Ruiloba e Andrés Blanco a assumirem o 1º lugar, depois de serem os segundos mais rápidos. Por seu lado, José Loureiro e Valter Cardoso, os primeiros líderes do rali, caiam para 4ºs. Em Laceiras 1 era Ernesto Cunha e Rui Raimundo quem surgia na frente dos 208 Rally4, após um 3º tempo na ES2, troço onde Andrés Marieyhara e Ariday Bonilla foram os mais rápidos, subindo três lugares de uma assentada, até à 5ª posição. Depois, nos 19,09 km da especial de Aguieira 1, Ricardo Sousa / Luis Marques deixavam a sua marca, eles que rodavam atrasados, devido ao percalço da véspera.

Finda a manhã e sem ganhar qualquer troço – foi 2º na ES1 e na ES3, 3º na ES2 e na ES4 – mas com um andamento muito equilibrado, Ernesto Cunha liderava a PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA e o Rali de Mortágua como um todo, terminando-a com a mais pequena das vantagens (um décimo de segundo) para o espanhol Diego Ruiloba. Já Robert Blach / Mauro Barreiro eram os 3ºs, a 14,6 segundos dos líderes.

Colocando cinco 208 Rally4 no top-5 – a seguir a Cunha, Ruiloba e Blach surgiam Andrés Marieyhara, uruguaio que, entretanto, ultrapassava José Loureiro, assegurando uma confortável vantagem de 42,4 segundos – a marca PEUGEOT sublinhava o domínio na prova. Em termos de copa ibérica, a classificação completava-se com Ricardo Sousa, Iago Gabeiras e Paulo Roque.

À tarde cumprir-se-ia a mesma sequência de troços, trazendo consigo dois novos vencedores. Se nas quatro primeiras especiais do rali os mais rápidos foram José Loureiro (ES1), Óscar Palomo (ES2), Andrés Marieyhara (ES3) e Ricardo Sousa (ES4), em Mortágua 2 o mais lesto viria a ser Diego Ruiloba e em Laceiras 2 tal posição de destaque ficou para Iago Gabeiras.

O derradeiro troço deste Rali de Mortágua, Aguieira 2 (19,09 km), assumia o estatuto de Power Stage, tornando-se ainda mais apetecível, já que se atribuíam pontos extra às equipas mais rápidas (3, 2 e 1 ponto, respetivamente). Ruiloba venceu (foi o único a fazer o bis em todo o rali) seguido de Blach e Gabeiras. Pela negativa ficou a fraca prestação de Cunha, que com o muito tempo perdido caiu duas posições na geral, sendo ultrapassado por Blach e por Marieyhara.

Finda a secção competitiva, os concorrentes rumaram ao Parque de Assistência e, dali, ao pódio final de consagração, onde Diego Ruiloba e Andrés Blanco festejaram não só a vitória na PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA, como o 1º lugar em termos absolutos neste evento do CAC, para além do troféu de Melhor Junior. A Equipa que mais pontos somou neste evento, conquistando, com isso, para além do troféu, um set de 4 pneus Pirelli foi a TRS, estrutura técnica que inscreveu os 2º e 3º classificados.

PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA - RALI DE MORTÁGUA (2ª prova, de um total de 6)
CLASSIFICAÇÃO GERAL (FINAL)

1º Diego Ruiloba (1º Junior) / Andrés Blanco, 1h01m28,1s
3º Roberto Blach (2º Junior) / Mauro Barreiro, a 37,4s
4º Andres Marieyhara / Ariday Bonilla, a 40,3s
2º Ernesto Cunha / Rui Raimundo, a 47,3s
7º lago Gabeiras (3º Júnior) / 'Jandrin' Lopez, a 2m51,0s
5º José Loureiro / Valter Cardoso, 3m10,3s; 6º Ricardo Sousa / Luis Marques, a 3m37,2s; 7º Paulo Roque / Tiago Teixeira, a 8m19,6s.

Abandonos: Pedro Antunes / Paulo Lopes (não alinhou; Covid-19); Santiago Garcia (Junior) / Nestor Casal (ES1); Delbin García (Junior) / Diego Cruz (ES2); Óscar Palomo (Junior) / 'Xavi' Moreno (ES3); Luis Morais / Helena Maia (ES4).

Todos em PEUGEOT 208 Rally4

camposNão poderia ter começado da melhor forma a primeira prova do Toyota Gazoo Racing Iberian Cup, que se realizou no decorrer da primeira etapa do Azores Rallye, que consagrou como vencedores a dupla Miguel Campos / Nuno Rodrigues da Silva, que estiveram aos comandos de um Toyota Yaris GR, assistido e preparado pela Inside Motor.

Tirando a primeira especial disputada, Miguel Campos / Nuno Rodrigues da Silva lideraram toda a restante prova, tendo ainda vencido quatro dos seis especiais de classificação, para terminar com mais de 50 segundos para o segundo classificado nas contas do Toyota Gazoo Racing Iberian Cup.

À chegada ao final do rali, já depois de saborear o champagne da vitória, Miguel Campos comentou que "foi uma excelente vitória. Era quase tudo novo nesta prova, nomeadamente o carro, e não sabíamos qual seria a nossa competitividade face à concorrência. Logo na fase inicial percebemos que estaríamos na discussão dos primeiros lugares, embora tenhamos perdido 15 segundos fruto de uma pequena saída de estrada por causa do muito nevoeiro e da lama. Na primeira passagem das Tronqueiras, começamos a ganhar tempo aos adversários e fizemos uma boa gestão até ao final, poupando um pouco a mecânica no mau piso. O Toyota mostrou ser um carro bom e equilibrado e com fiabilidade, por isso ficamos satisfeitos e motivados para as próximas provas.
Um agradecimento à equipa Inside Motor que esteve muito profissional e a todos que nos apoiaram na estrada. Estou muito feliz por esta vitória que nos abre boas perspetivas para esta competição".

A próxima prova do Toyota Gazoo Racing Iberian Cup é o Rali de Auga, também disputado em pisos de terra, que se disputa dias 6 e 7 de maio.

toyotaO Rallye Açores 2022 será disputado do dia 25 ao dia 26 de março, realizado como parte do Campeonato Europeu de Ralis, e será a estreia absoluta do Toyota GR Yaris RZ em competição. É o modelo que será utilizado na TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup, o novo troféu monomarca criado por Toyota Caetano Portugal, Toyota Espanha e o Motor&Sport Institute (MSi).

Seis pilotos da TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup participam nesta primeira prova: Miguel Campos, Fran Cima, Dani Berdomás, Ricardo Costa, Kevin Reiman e Víctor Calisto.

Entre estes participantes encontram-se pilotos com experiência significativa no mundo do rali, como Miguel Campos (Campeão Português de Rali 2002), Dani Berdomás (Campeão Peugeot Rally Cup Ibérica 2019) ou Fran Cima (Campeão European Clio R3T - Iberia 2017), enquanto outros, como o português Kevin Reiman, hoje com apenas 17 anos, mal começam a dar seus primeiros passos na modalidade.

Esta primeira prova, que é realizada em terra e conta para o Campeonato Europeu de Rali (ERC), será uma excelente oportunidade para que o Toyota GR Yaris RZ Cup, com seu sistema de tração GR-FOUR, revele todo o seu potencial nesta superfície. Além da tração às 4 rodas, tem um chassi robusto e equilibrado, suspensão específica para terra e um motor 1.6 Turbo com potência de 262 cv, que recebeu ao melhores comentários dos pilotos que tiveram a oportunidade de testá-lo.

Esta prova inaugural da TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup é um dos eventos mais aguardados pelos pilotos devido à sua complexidade. As suas etapas especiais, de velocidade média, são caracterizadas pela frondosidade típica do arquipélago português. O clima variável é uma das características distintivas do rali, com chuva e neblina a serem comuns na parte superior da ilha.

Para os pilotos inscritos no Troféu, ao contrário daqueles que participarão do ERC, o Rallye Açores terá apenas uma etapa, no dia 26 de março, com um total de 118,94 km cronometrados divididos em 7 etapas, sendo a mais longa a etapa de Graminhais, de 24,03 km.

A TOYOTA GAZOO Racing Iberian Cup é uma das grandes novidades de 2022 no mundo da competição automóvel. Chega com o objetivo de oferecer aos pilotos uma oportunidade única de continuar progredindo as suas carreiras desportivas graças ao desempenho oferecido pelo Toyota GR Yaris RZ, um modelo excecional devido a suas características únicas um troféu monomarca, e que servirá para preparar os pilotos para categorias superiores.

Uma das atrações deste Troféu monomarca são os prémios em dinheiro distribuídos em cada rali: o primeiro classificado receberá 7.500 €, o segundo 6.000 € e o terceiro 5.000 €. Além disso, o primeiro classificado júnior (com menos de 24 anos de idade) receberá um adicional de 1.000 €. A isto devem ser acrescentados mais 46.000 €, que serão distribuídos entre os 3 primeiros classificados no final da temporada.

Além disso, o Toyota GR Yaris RZ será o terceiro modelo mais popular nesta prova do campeonato europeu de rali. Por sua vez, a Toyota será o terceiro fabricante com mais carros na linha de partida, com um total de 10 unidades.