faceralis

 

ANUARIO123

Nacional

Edit

Amount of short articles:

Amount of articles links:

You can order sections with dragging on list bellow:

  • Nacional
Guardar
Cancelar
Reset

CPR

A Verdade Desportiva...

Image - A Verdade Desportiva...

COMUNICADO ARC SPORT A época que agora finda, no que aos ralis diz respeito, foi disputada com elev

Quinta, 25 Novembro 2021 Comente

Eventos

Inscritos Leiria Festiva

Image - Inscritos Leiria Festiva

Inscritos Leiria Festival Rali 2021, prova extra que se realiza no próximo fim-de-semana em lLeiria,

Segunda, 29 Novembro 2021 Comente

Open

Fotos Rali de Mortágua 2

Image - Fotos Rali de Mortágua 2

Fotos: Paulo Homem (Proíbida a reprodução de fotos sem indicação da fonte)Evento: Rali de Mortágua 2

Quarta, 2 Janeiro 2019 Comente

Nacional

leiriaplaca21Inscritos Leiria Festival Rali 2021, prova extra que se realiza no próximo fim-de-semana em lLeiria, dias 4 e 5 de dezembro.

 

 

 

 

 

 

 

leriainscritos21

COMUNICADO ARC SPORT

arcA época que agora finda, no que aos ralis diz respeito, foi disputada com elevação por parte de todos os pilotos e equipas. Através de lutas acesas dentro de prova e com o público de regresso, ficou uma vez mais provado que esta vertente do desporto motorizado português continua a ser diferenciadora e especial.

Se no que toca aos títulos individuais, o piloto assistido pela ARC Sport, Ricardo Teodósio se superiorizou a Armindo Araújo por apenas 1 ponto, no que toca à competição por equipas, a luta entre a ARC Sport e a Sports & You foi também ela muito bonita, e disputada até ao Parque Fechado, da última ronda do Campeonato de Portugal de Ralis, o Rally de Mortágua.

Segundo as contas finais do Campeonato de Portugal de Ralis 2021 – Equipas, publicadas no site da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, a Sports & You sagrou-se Campeã Nacional, somando um total de 279 pontos, mais 10 do que a ARC Sport. Contudo, no que toca à verdade desportiva, este triunfo está longe de ser legítimo e não por culpa da nossa congénere de Baltar.

Vamos a factos:
O piloto Diogo Salvi, foi validado como sexto classificado na derradeira prova do Campeonato de Portugal de Ralis;
O piloto Diogo Salvi decidiu abandonar o rali ao não passar o Pódio e não colocando o carro em Parque Fechado;
A organização da prova no seu todo e o CCD (Colégio de Comissários Desportivos) da FPAK destacado para este evento não viram nenhuma irregularidade, acabando por validar a sexta posição de Diogo Salvi nesta prova;
Diogo Salvi somou 10 pontos no Campeonato de Portugal de Ralis;
Consequentemente, a Sports & You somou mais 10 pontos no Campeonato de Portugal de Ralis – Equipas, pontos que perfazem a diferença exata com que a nossa congénere de Baltar se superiorizou à ARC Sport nesta mesma competição.

Posto isto, considera a ARC Sport que a Verdade Desportiva da temporada, que tão bem disputada foi, ficou posta em causa. Em tempo oportuno, a ARC Sport encetou esforços junto da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, através dos seus contactos oficiais (D. Fátima e Sr. Paulo Magalhães) para que a situação relatada acima fosse corrigida, considerando a ARC Sport que este fosse apenas mais um dos muitos erros relacionados com pontuações registados ao longo da presente temporada.

A ARC Sport foi informada pela D. Fátima, funcionária da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, do seguinte:

Diogo Salvi colocou o carro em Parque Fechado;
A informação descrita no Ponto 1 desta listagem, foi confirmada pelo Sr. Paulo Magalhães.
Os factos acima mencionados não correspondem à verdade, muito pelo contrário. São uma informação falsa.

A ARC Sport, equipa federada pela FPAK, não pode compactuar, em momento algum, com factos que não correspondam à verdade. Note-se que, a própria Sports & You, pela 'voz' de um dos seus principais rostos, José Pedro Fontes, encetou junto da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting conversações para confirmar que as pontuações publicadas no site desta federação não eram confiáveis e finais, dando conhecimento destas dúvidas, por email, à FPAK e à ARC Sport, em email datado de 17 de Novembro:

"(...)
Depois das retificações feitas, gostaríamos que nos fosse confirmado se os resultados publicados são os finais e qual o critério a utilizar em casos de empate.
(...)"

Considera a ARC Sport que não existiam dúvidas, nem para a nossa congénere Sports & You, que a classificação estava errada. Contudo, e surpreendentemente, a resposta da FPAK, pelo seu Coordenador Administrativo Assistente do Coordenador Desportivo, Pedro Couto, foi que as classificações estavam corretas e que, neste caso, os critérios de desempate não seriam necessários, esclarecendo, ainda assim, os mesmos.

Posto isto:

Não parece haver dúvidas para que quem esteve envolvido desportivamente numa bonita luta pela vitória de um título que, Diogo Salvi foi, erradamente, considerado na pontuação final do Rally de Mortágua;
Não parece haver dúvidas que a FPAK errou, bem como o CCD destacado para o Rally de Mortágua;
Não parece haver dúvidas que um elemento de referência na FPAK confirmou factos que não correspondem à verdade;
Não parece haver dúvidas que a ARC Sport e a Sport & You, com verdade desportiva, teriam terminado o Campeonato de Portugal de Ralis – Equipas empatadas com 269 Pontos;
Restam dúvidas sobre os critérios de desempate, uma vez que os mesmos são claramente dúbios e não respeitam premissas básicas de um Campeonato por Equipas (artigo 8.6 do Reg. Desportivo do CPR, que remete para o artigo 13.1.6 das PGAK que, por sua vez, prevê os seguintes critérios de desempate:

(...)
"b) aquele que tiver obtido mais vitórias. Se ainda assim subsistir, aquele que obtenha mais 2º lugares e assim sucessivamente;
(...)

Se as dúvidas sobre a alínea B do regulamento acima transcrito são justas, a FPAK informa que, e citamos o Coordenador Administrativo Assistente do Coordenador Desportivo, Pedro Couto:

(...)
"quanto uma prova termina, só existe um primeiro lugar. É a esse primeiro lugar que a vitória diz respeito. Naturalmente que o primeiro lugar terá de ser atribuído ao veículo que terminou a prova em primeiro, não ao resultado da soma de dois ou mais participantes na prova"
(...)

Não restam para a ARC Sport dúvidas que, esta interpretação da lei é feita com conta peso e medida, uma vez que não pode ser considerado normal que, numa competição por equipas, um critério de desempate advenha do mérito desportivo de um piloto individual.

Para terminar esta longa e extensa explanação resta-nos afirmar que:

O Campeonato de Portugal de Ralis de 2021 não merecia ter sido gerido por dirigentes e funcionários que confirmam factos que não correspondem à verdade, e por outros com pouca vontade de apoiar as equipas na resolução de problemas simples e verificados;
O Campeonato de Portugal de Ralis não merece ter provas com um Colégio de Comissários Desportivos fraco e que não verifica os resultados, promulgando-os de forma incorreta;
A Sports & You está de parabéns pela excelente temporada, pela sua atitude e postura e pela conquista do título no Campeonato de Portugal de Ralis – Equipas 2021, pena que seja desta forma que, reiteramos, não é sua culpa;
De nada adianta à FPAK e à modalidade procurar maior retorno mediático, ou tentar mudar o paradigma e organização em termos desportivo senão começar por resolver os problemas de fundo que possui internamente.

ralidocas21placaInscritos Rali do Cas 2021, próxima prova do Campeonato Sul de Ralis, que se realiza dia 21 de novembro.

 

 

 

 

 

 

 

 

casinscritos21

INAC(POR PAULO HOMEM)

O passado fim-de-semana poderia ter sido inacreditável e de sonho para os adeptos dos ralis em Portugal. E para alguns foi-o de facto, mas para mim não!!!

Aliás, considero que o que se passou no passado fim-de-semana, deixando de lado a questão desportiva, foi mesmo, a todos os títulos, verdadeiramente inacreditável. Os ralis em geral estão a passar pela mais profunda crise de identidade que algumas vez se assistiu no nosso país.

Eu explico. Começo pela inacreditável coincidência de datas entre o Rali de Mortágua e o Rali Legends Luso Bussaco. Como é possível, a meses de antecedência de realização das duas provas, a FPAK deixar que estas coincidam na mesma data, com a gravidade de serem as duas na mesma região e disputarem o mesmo público da região.

Já é mau provas de ralis coincidirem na mesma data, mas é mesmo muito mau coincidirem na data e na mesma região.

A FPAK está lá para gerir o desporto automóvel e é a autoridade máxima dos ralis em Portugal e, como tal, teria que impor a sua vontade e não permitir que uma situação destas aconteça. Na minha opinião isto não foi uma casualidade, foi propositado, com larga intenção de retirar valor ao Rali de Mortágua, tanto mais que se ventilou durante todo o fim-de-semana, que em 2022 esta prova já não está no calendário do CPR.

O resultado desta não decisão da FPAK foi desastroso, como disse com largo prejuízo para a prova o Campeonato de Portugal de Ralis, onde se decidia o título de Campeão.

Uma semana mais tarde não existe qualquer prova de ralis e o Rali de Tábua até já tido sido cancelado, pois a FPAK pretendia levar por diante duas provas do Regional Centro, em terra, em fins-de-semana consecutivos e também separadas geograficamente por pouco quilómetros, o que é inacreditável.

Os organizadores do Rali de Tábua felizmente tiveram bom senso de anular a prova, mas a FPAK não teve bom senso de decidir, porque está lá para isso (e teve tempo para tal), que o Rali de Mortágua não contaria para o Regional Centro. Esta não decisão da FPAK, conseguiu de uma só vez, liquidar com as duas provas do Regional Centro, pois nem Mortágua teve inscritos suficientes, nem Tábua se realizou.

Inacreditável foi também a total ou praticamente total ausência do Rali de Mortágua nos meios de comunicação generalistas nacionais. Apenas a Rádio TSF fez alguns apontamentos de reportagem, mas nem antes, nem durante, nem logo após o fim do rali se viu ou ouviu o que quer que fosse sobre uma prova onde se decidia "apenas" o campeão. Isto é inacreditável. Mais uma vez a FPAK esteve a leste, pois é a principal responsável pela promoção do campeonato.

Com a forma como ocorreu este encerramento do CPR a FPAK teve ainda a humilhação de ver que mais público esteve presente a ver o Rali Legends que o próprio Rali de Mortágua. Isto é inacreditável à luz do que se estava a discutir na derradeira prova do CPR.

Não menos inacreditável foi ter sido veiculada a notícia de as quatro provas de terra do CPR em 2022, três delas são internacionais e uma terá provavelmente a presença de muitos pilotos internacionais. O CPR arrisca-se em 2022 não ter um vencedor absoluto (terá seguramente um vencedor à geral do CPR) em qualquer prova de terra. Nada pode ser mais desprestigiante para o CPR do que uma situação destas!!!

Inacreditável é também ficarmos com a certeza de que os relatórios das provas não servem mesmo para nada. São apenas para inglês ver e como não são tornados públicos, ficamos com a certeza de que existem entidades e pessoas que não estão nos ralis de forma séria e construtiva.

Mais ainda. Três destas provas, ao serem internacionais, terão custos de participam altíssimos, pelo que serão poucos os pilotos do CPR que marcaram presença nestas provas. O que valerá um campeonato com cerca de uma dezena de inscritos? Nestas provas, curiosamente, a credencial FPAK, para jornalistas e fotógrafos, valerá ZERO!!!

Inacreditável foi ver também que apenas 22 equipas se inscrevem para o Rali de Mortágua. O que mesmo assim até não foi mau face a outras provas (por exemplo face ao Rali de Portugal e ao Rali Serras de Fafe). É muito preocupante ver o CPR a definhar de ano para ano e de prova para prova e, ainda por cima, sem sucessão, pois não aparecem de facto novos valores na calha. Teme-se portanto o pior se a FPAK continuar a olhar para o lado e a dar cobertura a jogos de bastidores que estão a levar o CPR para o abismo!!!

Como o que se passou no fim-de-semana passado, os ralis não ficaram nada a ganhar, só mesmo a perder. Perderam os organizadores, os adeptos, as equipas, os pilotos e a modalidade em geral, que foi muito maltratada.

Com o pós-Mortágua e com todo o vazio que se vive em torno do CPR, temos a certeza que o campeonato bateu no fundo, ou melhor, já começou a escavar a sua sepultura.

mortaguaO Município de Mortágua, em comunicado, refuta notícia sobre uma eventual saída do Rali de Mortágua do calendário do CPR'2022 e esclarece que não há ainda decisão federativa sobre quais as provas a realizar no próximo ano.

Face a uma recente notícia, divulgada por um Órgão de Comunicação Social da especialidade, dando conta que a Rali de Mortágua estaria fora do calendário do Campeonato de Portugal de Ralis do próximo ano, a Câmara Municipal de Mortágua esclarece que ainda não foi tomada qualquer decisão oficial pela entidade competente - a Federação Portuguesa de Automóvel e Karting, relativamente às provas que irão integrar o calendário do Campeonato de Portugal de Ralis 2022. Pelo que tal notícia é manifestamente infundada, extemporânea e geradora de desinformação.

A Câmara Municipal de Mortágua irá desenvolver todas as diligências para que o Rali de Mortágua continue a integrar o Campeonato de Portugal de Ralis e a merecer a confiança que desde há 18 anos, de forma ininterrupta (com exceção do ano passado, devido à pandemia), tem sido depositada pela entidade federativa. Nesse sentido, será agendada brevemente uma reunião com a Federação, para abordar este e outros assuntos de interesse comum.

Ao longo das várias edições, o Rali de Mortágua tem sido considerado um dos melhores ralis do campeonato, obtendo elevadas classificações. Um estatuto que ganhou por mérito próprio, destacando-se nomeadamente pela qualidade dos troços, a segurança e a adesão de numeroso público.

Nunca é demais relembrar que Mortágua tem um historial no desporto automóvel, que remonta aos tempos em que era palco do TAP Rallye de Portugal (recebeu a prova entre 1995 e 2001), e depois teve sequência com o Rali de Mortágua. E este ano recebeu uma das classificativas do Rally de Portugal, a contar para o Mundial de Ralis (WRC).
Tem sido um dos Municipios do país que mais tem contribuído para a divulgação e promoção da modalidade. Uma aposta que à vertente desportiva associa o reconhecimento do impacto que esta prova representa para o concelho e para a região em termos económicos e turísticos.